Pesquisa/Search

Carregando...

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Vasos Maravilhosos

Os vasos maravilhosos são meridianos virtuais que se manifestam quando há distúrbios energéticos nos meridianos principais, por excesso ou insuficiência. Estes vasos maravilhosos agem como reservatórios de energia (Qi) relativamente aos meridianos principais. Isto significa que, se os meridianos principais estiverem em plenitude, os vasos maravilhosos podem receber a energia em excesso nestes meridianos e, se os meridianos principais estiverem em deficiência, a energia é canalizada dos vasos maravilhosos para os meridianos principais.

 

Função dos VM

A função dos vasos maravilhosos, além da de reserva, é a regulação dos meridianos principais. Conduzem a energia ancestral dos rins para as diferentes partes do corpo, inclusive para os meridianos principais, além de receberem e distribuiem as energias de Defesa e Nutridora para os meridianos principais. Estão ligados às “seis vísceras acessórias” VB, cérebro, medula, ossos e útero no trajeto das energias.
 
Os VM são lagos ou receptáculos de energia, funcionando como reservatórios energéticos virtuais e representam os transbordamentos de energia da grande (formada pelos meridianos principais) e da pequena circulação (relaciona-se aos aspectos homeostáticos do homem). Em fim, “Os vasos maravilhosos irrigam os espaços compreendidos entre os meridianos principais”. Os antigos descreviam esta relação sob uma forma imaginária: “Os meridianos principais são os rios, os vasos maravilhosos são os lagos”. Em geral sua função é preservar a norma que rege o processo de desenvolvimento do indivíduo num nível muito profundo.
 

Indicação dos VM

O VM é escolhido a partir da queixa principal do paciente. Cada um dos oito pares de VM (4 inn e 4 yang) apresentam uma dupla de pontos, onde um deve ser usado para abrir e o outro para fechar o caminho energético. O ponto que abre deve ser picado primeiro, seguido da regulação energética, dos pontos sintomáticos, extras, microssistemas, e por fim, o ponto que fecha. Já para a retirada das agulhas, deve-se remover primeiramente os pontos sintomáticos, seguidos dos de tonificação, sedação, ponto do VM que abre, terminando com o que fecha.
 
Os VMs não apresentam pontos próprios e seu trajeto não segue linhas regulares. Os sintomas da queixa principal podem indicar o desequilíbrio de um determinado vaso maravilhoso através do recurso da comparação dos sintomas da queixa do paciente com o quadro clinico do distúrbio do vaso maravilhoso.


Classificação

Os vasos maravilhosos são divididos em 4 grupos:
 

1° Grupo: OS CAPTADORES DE ENERGIA: Inn: Jenn-Mo – Vaso da Concepção. Iang: Tou-Mo – Vaso Governador.

> Jenn-Mo – Vaso da concepção ou Diretor.

Jenn-Mo tem como ponto de comando o P 7, ponto de entrada o VC 1 (Roe-inn) e o ponto de saída o VC 24 (Tchereng-tsiang).
 
O termo Jenn tem significação de responsabilidade, função de direção. O Jenn-Mo comanda todos os meridianos Inn, sendo conhecido pelo termo “Mar dos Meridianos Inn”. Com origem nos rins, vai até o períneo onde se superficializa no ponto VC 1, ascende pela linha média ventral do corpo, passa pelo púbis, abdômen, tórax, pescoço e termina no sulco mentoniano no ponto VC 24, onde se une com o IG, E e VG.
 
Os pontos Jenn-Mo podem ser divididos em 3 grupos: o primeiro grupo compreende os pontos do púbis ao umbigo que comanda as funções gênito-urinárias; os segundo grupo abrange os pontos do umbigo até o esterno e comanda as funções digestivas, e o terceiro grupo é o relativo aos pontos que ficam entre o esterno e o lábio inferior e comanda as funções respiratórias.

Indicações do Jenn-Mo: Dermatoses, eczema, cefaléia occipital, insuficiência pancreática, diabetes. Todas as enfermidades pulmonares: tosse, bronquites, congestão pulmonar, pneumonias, broncopneumonias, pleurites, gripe, coqueluche, hemoptise, tuberculose, enfisema, asma. Todas as enfermidades do nariz: rinites, sinusites, rinopatias alérgicas, faringites, laringites, disfonias. Astenia. Todas as inflamações das mucosas e convulsões infantis.

> Tou-Mo – Vaso Governador.

O Tou-Mo tem como ponto de comando o ID 3 (Reou-tsri), ponto de entrada o VG 1 (tchrang-tsiang) e ponto de saída o VG 28 (Inn-tsiao).

Tou significa governar, conduzir. O Vaso Governador é o supervisor geral dos meridianos Yang ou “Mar dos Yang”, pois comanda, governa os Yang. Tem origem nos rins (supra-renais) segue até a última vértebra coccígea e ascende pela linha mediana posterior ao longo da coluna vertebral, crânio, atravessa a região frontal, pela linha sagital mediana anterior e alcança o tubérculo do lábio superior, seguindo pela mesma linha, até chegar ao ponto VG 28, que fica numa depressão abaixo da inserção inferior do lábio superior.

O Tou-Mo age sobre a força física e mental, sobretudo nos homens. Seus pontos não se dividem em grupos de ação como acontece com o Jenn-Mo mas alguns pontos têm ação específica; assim o VG 1 age sobre o ânus e o reto; VG 4 (entre a 2° e a 3° vértebras lombares) age sobre a vitalidade e o vigor sexual; os pontos entre as 5 primeiras vértebras dorsais (VG 11 e VG 13) têm poderosa ação psíquica.

Indicações do Tou-Mo: Tremores e contraturas dos membros, enxaqueca, edema nos olhos com lacrimejamento, dores lombares, nos joelhos, nos dentes e nas gengivas, glaucoma, conjuntivites, estomatites, gengivites, trismus, amigdalites, angina, sudorese, epilepsia, alucinações. Em resumo, transtornos artríticos, reumáticos, nervosos e cerebrais.


2° Grupo: OS REGULADORES DE ENERGIA: Inn: Inn-Tsiao-Mo – Vaso sob maléolo interno. Iang: Iang-Tsiao-Mo – Vaso sob o maléolo externo.

> Inn-Tsiao-Mo – Vaso sob maléolo interno.

O Inn-Tsiao-Mo tem como ponto de comando o B 62 (Chenn-mo), ponto de entrada ele mesmo e ponto de saída o B 1 (Tsing-ming).

Estes vasos têm por função dirigir os movimentos do corpo, ambos tendo origem nos maléolos e dirigindo-se ao conto interno dos olhos. Considerado um ramo do meridiano principal do Rim.
 
Começa no R 2, segue para o R 6, ascende contornando o maléolo interno, segue a face posterior da tíbia, face medial da coxa, atinge o púbis, segue cruzando longitudinalmente o abdômen, tórax e entra na fossa supraclavicular, segue lateralmente ao osso hióide alcançando medialmente o E 9, passa pelo forame mentoniano, comissura labial, sutura zigomático-maxilar até a comissura medial da pálpebra, uni-se ao Yang Qiao Mo.

Indicações do Inn-Tsiao-Mo: Todos os transtornos urinários, frigidez, imponência, esterilidade, prostatites, leucorreias, dores e congestão ovárias, transtornos menstruais, ameaça de aborto, insônia, constipação crônica.

> Iang-Tsiao-Mo – Vaso sob o maléolo externo.

O Iang-Tsiao-Mo tem como ponto de comando o B 62 (Chenn-Mo), ponto de entrada ele mesmo e ponto de saída o V 1 (Tsing-ming).
 
Começa no B 62, daí segue para o B 61, e alcança o maléolo externo seguindo pelo bordo posterior da fíbula, face externa da coxa, látero-posterior do tórax, atinge a cintura escapular, daí para o ombro (ID 10), ascende o pescoço (IG 15, 16) cruzando-o obliquamente, e também a mandíbula, em E 8, cruza a face, até a comissura labial (E 4, 3 e 1), daí segue para o canto interno do olho, até chegar no B 1, segue trajeto do M.B, até o limite do cabelo, para então seguir o meridiano da VB, até o VB 20.

Indicações do Iang-Tsiao-Mo: Contratura da coluna vertebral, edema na região correspondente aos maléolos, cefaléia, dificuldade para estender e flexionar os membros, abscesso das mamas, zumbido nos ouvidos, epistaxe, dores articulares, edema. Afecções paralíticas dos membros. Congestão cerebral, hemorragia cerebral e afasia.


3° Grupo: PRODUTORES ORGÂNICOS DE ENERGIA. Inn: Inn-Oe – Cadeia dos Inn. Iang: Iang-Oe – Cadeia dos Iang.

> Inn-Oe - Cadeias dos Inn.

O Inn-Oe tem como ponto de comando o CS 6 (Nei-koann), ponto de entrada o R 9 (Tso-pinn) e ponto de saída o VC 23 (Lienn-tsiuann).

Começa no R 9, sobe a face medial da perna e coxa, daí se dirige para o abdômen ao BP 13, segue o meridiano BP, passa medialmente ao mamilo, daí segue para a fossa supra esternal e une-se ao VC no VC 22 e termina no VC 23.

Quando o Inn-Oe é afetado o doente se queixa de dores no coração, porque o Inn-Oe segue os meridianos Inn e circula no espaço Inn. É por isso que, quando o Inn é atingido, é sempre o coração que é afetado.

Indicações: Indigestão, constipação espamódica, convulsões, hipertensão, arteriosclerose, arterites, varizes, hemorróidas, obesidade, depressão mental, melancolia, tristeza, timidez, inquietude, angustia, ansiedade, temor, agitação, amnésia, sonhos, transtornos mentais, delírio.

> Iang-Oe – Cadeia dos Iang.

O Iang-Oe tem como ponto de comando o TR 5 (Oae-koann), ponto de entrada o B 63 (Tsinn-menn) e o ponto de saída o VG 15 (Ia-menn).

O termo Oe significa: preservar, conservar, manter, guardar, defender, alimentar, ligar, reunir. Liga todos os pontos Iang.

Começa no ponto B 63, sobe até cruzar o maléolo externo, segue o meridiano VB, parte posterior do hipocôndrio, fossa escapular (ID 10), ombro (VB 21), dirige-se obliquamente cruzando o músculo esternocleidomastóideo, sobe pelo ramo ascendente da mandíbula, atravessa a ATM, passa pelo TR 22, a partir daí, dirige-se ao meridiano VB no ponto VB 14, continua pelo M da VB até o ponto VB 20, daí segue para a linha mediana posterior, chega ao VG 16 e finaliza no VG 15.

Tem por função distribuir a energia ancestral nas diferentes partes do corpo: membros, costelas, ombros, pescoço e cabeça. Se estas não podem circular, há muita febre. Suas doenças são os calores e frios graves.

Indicações do Iang-Oe: Dor e tumefação das articulações dos membros, enxaquecas, lombalgias e dores na coluna vertebral, sudorese noturna, dores oculares, prurido generalizado, dermatites, acne, otites, epistaxe, hemoptise, blefarites.


4° Grupo: DISTRIBUIDORES NERVOSOS E MOTORES: Inn: Tchrong-Mo – Vasos dos ataques. Iang: Tae Mo – Vaso cintura.

> Tchrong-Mo – Vasos dos ataques.

O Tchrong-Mo tem como ponto de comando o BP 4 (Kong-soun), ponto de entrada o R 11 (Rong-kou) e o ponto de saída o R 21 (Iou-menn).

O termo Tchrong quer dizer ataque, central. É o mar do sangue e dos doze meridianos.
 
O ramo ventral ou anterior se superficializa no E 30 e segue para o R 11, a partir daí, segue o MP do rim bilateralmente, a meio tsun do VC lateralmente, até o pescoço, então cruza a mandíbula no E 8, cruza a face em direção em IG 20, contornando superiormente o músculo orbicular dos lábios.
 
A palavra ataque deve ser entendida como significando crise: de nervos ou de dores ou de circulação ou de motricidade ou de excitação. Assim sua insuficiência se manifesta por tudo que é espasmo, contração e outros excessos da energia Iang. Nos casos de excesso deste vaso há fraqueza dos órgãos abdominais, insuficiência de regras, atonia nervosa e motriz. Sua tonificação dispersa todos os meridianos-órgãos Iang em excesso, especialmente os abdominais, e tonifica todos os meridianos-órgãos Inn, sobretudo os torácicos. É também chamado de “Mar dos 12 meridianos”.

> Tae-Mo – Vaso da cintura.

O Tae-Mo tem como ponto de comando o VB 41 (Linn-tsri), ponto de entrada o VB 26 (Tae-mo) e o ponto de saída o VB 28 (Oe-tao).

O termo Tae quer dizer cintura, conduzir, ligar inn com iang, onde todos os inn e iang conectam-se tranversalmente.

Começa na quarta vértebra lombar e segue em sentido obliquo, até o hipocôndrio e tranversalmente passa pela cintura pélvica e abdômen e tem conexão com pontos da VB 26, 27 e 28.

Indicações do Tae-Mo: Artrites e artroses, reumatismo articular agudo, contratura das mãos, pés e dedos, tremores dos quatro membros, cefaléias, vertigens, dor e edema da face, olhos, ouvidos e garganta, vômitos, mastites, anemia, enfraquecimento com debilidade e tremor.
 

Terapêutica

Cada vaso maravilhoso possui um ponto de abertura. Os pontos de abertura localizam-se nos meridianos principais e são utilizados pelo terapeuta para mobilizar a energia de cada um dos meridianos maravilhosos, nas sessões de tratamento de acupuntura, permitindo assim, equilibrar a energia em desarmonia.

Esses pontos são estimulados aos pares, de modo a “abrir e fechar” uma sessão de tratamento, têm características e funções próprias sendo que cada par exerce a sua ação dentro de determinada área do corpo. Os pontos de comando possuem ação mutua dois a dois, com ação específica em determinados grupos de doenças, sendo os vasos com pontos de comando nas mãos ligados com àqueles que têm pontos de comando nos pés. Quando se começa o tratamento com um determinado ponto, obrigatoriamente deve-se terminá-lo com outro determinado ponto. Exemplo: ao iniciar com ID 3 termina-se com B 62 ou vice-versa; sendo assim para as demais duplas: TR 5 e VB 41; CS 6 e BP 4; P7 e R 6.
 

Pontos dos VM

- CAPTADORES DE ENERGIA: Os meridianos dos captadores de energia transferem energia de frente para trás e vice versa.

> P7 e R6 (Figuras I e II respectivamente)– Jenn Mo – Utilizado para problemas genito-urinários e transtornos alérgicos.
 
FIGURA I: Ponto P7.
FONTE: Lian et al., 2005.

 
FIGURA II: Ponto R6.
FONTE: Lian et al., 2005.


> ID3 e B62 (Figuras III e IV respectivamente)– Tou Mo – Utilizados em casos de transtornos com prevalência de um dos lados, como o AVE.
 
FIGURA III: Ponto ID3.
FONTE: Lian et al., 2005.

 
FIGURA IV: Ponto B62.
FONTE: Lian et al., 2005.


- REGULADORES DE ENERGIA: Os meridianos dos reguladores de energia transferem energia da direita para a esquerda e vice versa.

> R6 e P7 (Figuras II e I respectivamente)– InnTsiao Mo - Trata problemas respiratórios e cefaléias.

> B62 e ID3 (Figuras IV e III respectivamente)– Yang Tsiao Mo – Tem uma excelente ação psíquica.


- PRODUTORES DE ENERGIA: Os meridianos dos VM produtores transportam energia de baixo para cima e vice-versa.

> CS6 e BP4 (Figuras V e VI respectivamente) – Inn Wei – São utilizados nos transtornos emocionais e circulatórios, como por exemplo, o AVE.
 
FIGURA V: Ponto CS6.
FONTE: Lian et al., 2005.

 
FIGURA VI: Ponto BP4.
FONTE: Lian et al., 2005.


> TR5 e VB41 (Figuras VII e VIII respectivamente) – Yang Wei - Feitos nos casos de energização por esgotamento.
 
FIGURA VII: Ponto TR5.
FONTE: Lian et al., 2005.

 
FIGURA VIII: Ponto VB41.
FONTE: Lian et al., 2005.


- DISTRIBUIDORES DE ENERGIA: Os meridianos dos distribuidores de energia transferem energia de dentro para fora e vice versa.

> BP4 e CS6 (Figuras IV e V respectivamente) – Tchrong Mo - Usado para distúrbios de energia (vaso dos ataques), além de problemas musculares e digestivos.

> VB41 e TR5 (Figuras VIII e VII respectivamente) – Tae Mo- Utilizado nos casos de doenças osteo-articulares, e problemas n a região do Vaso Cintura.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

A acupuntura é um processo terapêutico milenar que consiste no tratamento e manutenção da saúde, sendo principalmente preventiva. Esta terapêutica vêm se difundindo cada vez mais, assim como sua eficácia em diversas patologias.

Sua atuação está na mobilização das energias que percorrem os meridianos. Dentre os meridianos secundários têm-se os vasos maravilhosos, que dependendo do quadro apresentado pelos pacientes, e da ordem da colocação das agulhas pelo acupunturista, apresenta-se como uma técnica a mais na busca por uma melhora do paciente.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...